Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A força do destino

por Teresa, em 05.03.14

Tem piada que dantes achava que eram poucas as mães que tinham os filhos a estudar fora e agora.... Parece que conheço uma catrefada delas .
É tal e qual quando uma pessoa está grávida e que,de repente, parece que só vê grávidas à sua volta.....ou quando se tem um bébé e parece que o mundo está cheio deles...
Sinto-me exactamente assim!

Pus-me logo em campo e num instante conheci mães que já tinham filhos no mesmo sítio, quase a terminar o curso , mas que me deram mil e uma dicas sobre o que levar, o que comprar ,o que fazer.... Enfim!

Foram todas muito prestáveis e os conselhos foram bastante úteis! Agradeço a cada uma o apoio dado!

Solidariedade não falta! Mesmo quem tem filhos ainda pequenos,pensa logo: " ai meu Deus.... se isto fosse comigo ficaria de rastos... " e , ao colocarem-se na mesma posição, percebem o que estamos a sentir... e dão-nos colo!!!!

Uma das minhas irmãs, com filhos a crescer, já me disse que lhes vai por umas grilhetas nos pés, para eles nunca saírem de ao pé dela!

É o que tem de ser e, o que tem de ser tem muita força!

publicado às 12:21

Não entrou na faculdade e agora?

por Teresa, em 04.03.14
Lembro-me como se fosse hoje como tudo começou.

Depois de muito choro por não ter entrado no curso que queria, do orgulho ferido, da injustiça sentida por ter sido sempre uma excelente aluna seguiu-se a recusa em repetir a disciplina assassina, no ano seguinte e, a decisão inabalável de que se não podia ir a direito para atingir o objectivo final, teria de fazer curvas e contra curvas mas não ía parar um ano! Ía seguir em frente!

Vínhamos de férias do Algarve, bem dispostos, quando a Maria nos comunicou a decisão, tomada durante aquelas férias na sequência de uns telefonemas, e troca de mensagens com alguns amigos, sem nos termos apercebido de nada. Pois é, decidiu que o melhor para o futuro dela seria ir estudar para fora do país.

Não faço ideia do que seja levar um murro no estômago, ou com um tijolo na cabeça...mas tenho a certeza que foi isso que senti !

O quê? Estrangeiro? Sozinha? Mas como ? Será capaz? E nós? Como conseguimos ficar 5 ou 6 anos longe dela?E vai alimentar-se convenientemente ? E com quem desabafará quando precisar de o fazer? E quem a mimará ? E aquela língua estranha? E ... as saudades que vamos sentir....
Ah ...as saudades é que vão ser o pior!!!!!!

publicado às 23:22

Emigrantes da nova geração

por Teresa, em 03.03.14


Os " novos" emigrantes são de uma faixa etária mais jovem e possuem habilitações literárias superiores ( geralmente um curso, 2 mestrados, e 1 doutoramento).

Uns vão estudar ( como é o caso da minha filha Maria), outros vão procurar novo ou, melhor emprego.

Dominam as línguas estrangeiras principais e aquelas que não sabem, aprendem com a maior das facilidades.
Fazem amigos e adaptam-se, sem grande dificuldade, aos países onde se instalam.

Cada vez que, vamos ao aeroporto buscar a Maria, percebemos logo quando o voo aterrou, porque saem dezenas de estudantes ao mesmo tempo e sempre com aquele ar de quem veio ou vai ali à esquina!

Utilizam o avião como se fosse um táxi ... e quase não acusam o cansaço de andar de um lado parado outro, nas confusões dos aeroportos e com o peso de malas carregadas de livros .....

São jovens....cheios de sonhos e com muita garra!

Tiro- lhes,igualmente, o chapéu!

publicado às 23:12

Emigrantes da velha guarda

por Teresa, em 03.03.14

Tem piada que nunca sonhei emigrar, nem nunca tive ninguém na família que, algum dia, o tenha feito.
Tenho agora 50 e muito poucos anos, que são os novos 40 ( fia-te na virgem e não corras diz- me o meu marido) e lembro- me que no meu tempo, quem emigrava eram aquelas pessoas mais pobres, com pouca ou, nenhuma escolaridade, que iam tentar a sorte para outro lado do mundo, caso fosse necessário .
Na aldeia, onde passava férias com os meus pais e irmãs era usual ouvir dizer que " o Zé da Adilia, ou o Mário de Vale do Porco tinha ido prá França".... Eu ficava gaga como é que qualquer um dos habitantes, daquela aldeia isolada e,longe de qualquer cidade, era capaz de repente de ir até Lisboa, dar com o aeroporto, entrar num avião , com a trouxa às costas e ir parar a um país completamente desconhecido, onde não sabiam dizer sim, nem não...nem explicar nada de nada!

Mas que o faziam....faziam. Iam à frente e, depois, chamavam as mulheres. Os filhos ficavam na aldeia a ajudar na lavoura!

Ainda me lembro de um desses homens que acabaria por emigrar mais tarde, me apontar para um avião que atravessava o céu da aldeia, naquele momento, e me perguntar :
- A menina "chabe"que fumo branco é aquele acolá, que vai arrastado pelo"abião "?

Apesar do desconhecimento ... Não tinham medos ....Era espantoso!

Pois eu, ainda hoje, que sei o que é um avião, o que é que o faz voar, o que é aquele fumo branco,sinto um nervoso miúdinho ( diria pânico mesmo) cada vez que tenho de viajar para qualquer lugar .

Por isso tiro o chapéu a todos eles!

publicado às 23:07

Porquê maminka?

por Teresa, em 03.03.14

Resolvi criar este blog talvez porque me apeteça desabafar... comigo própria!
Durante toda a minha adolescência escrevi diários e lembro-me que era uma coisa que
adorava fazer! Ajudava a descontrair!
Os anos passaram...casei, fui mãe , tia, professora, e apesar do muito trabalho que ainda tenho, a nível profissional , sempre achei que continuava a ter muitas histórias para contar!
Como adoro crianças sempre me diverti com as histórias da minha filha em pequenina, dos meus sobrinhos, dos meus alunos e de todos os miúdos em geral!
Acho uma delícia ver, ouvir e contar tais histórias. E ainda hoje sigo os blogues de pais a falar dos seus rebentos.
Neste momento a minha filha já não é mais criança mas pensei falar desta fase de filhos na adolescência... E numa situação que hoje está muito generalizada e que se resume ao seguinte:" o meu filho não conseguiu entrar para a Faculdade...por décimas e ...decidiu sair do País e tentar entrar numa faculdade estrangeira, no curso pretendido!"

Como poderíamos, nós pais,imaginar que aquelas malditas décimas lhes iriam ditar o futuro??????
Foi assim que , de um momento para o outro nos vimos com três malas às costas, a filha a tiracolo, a partir para longe do nosso querido Portugal!
Seguiu-se um dia inteiro de exames e entrevistas, no meio de perto de 150 estudantes de todo o mundo, incluindo outros portugueses,e... sem tempo para pensarmos muito, fomos informados que a nossa filha tinha ficado dentro das 20 vagas existentes e, entrado na Faculdade! Depois foi deixá-la instalada na casa de uma colega mais velha,acabada de conhecer....

Nós os pais regressamos a Portugal, com a bagagem mais vazia, o coração mais apertado e uma lagriminha ao canto do olho...mas com muita força para não estragar o futuro da nossa filha que se começava a desenhar ali!

Passou um ano desde então!!!!!!

O país escolhido fica na Europa de leste e foi por isso que, num piscar de olhos, passei a ser: MAMINKA (mãe )

publicado às 15:56

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Comentários recentes

  • Anónimo

    Também li os livros da Anita na minha infancia. Te...

  • Teresa

    Fico contente quando as pessoas gostam do que escr...

  • fashion

    Gostei muito, Parabéns!

  • Chic'Ana

    A taça é nossa!!! =)

  • Teresa

    É mesmo ! eu adoro a ingenuidade destas idades!


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D


Mensagens