Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



As preocupações da vida !

por Teresa, em 10.11.14

image.jpg

Uma coisa que se aprende quando se é mais velho é que, por muito que queiramos,nunca mais voltamos a levar a vida com a despreocupação e a leveza de quando se é jovem.

E o mais terrível de tudo é que, nesta altura do campeonato, não podemos choramingar ou mostrar a nossa fragilidade, perante os problemas que a vida nos vai colocando. Não! Nada disso!

Bons tempos aqueles em que tínhamos os mimos dos avós e dos pais que estavam sempre lá para nos ampararem na queda!

Mas agora os adultos somos nós! E se nós nos pusermos a chorar... Chora tudo minha gente...e a coisa ficaria muito negra!

Tive recentemente uma experiência dessas ( graças a Deus já a ser ultrapassada)... e ...apesar da preocupação que estava a sentir no momento tive de brincar com a situação .

-Mas eu não quero ser operada! - diziam-me pela milésima vez.

- Tem de ser, porque aqui não há opção!- repetia eu, também pela milésima vez!

Lembrei-me de contar uma história que o Herman José costuma contar publicamente sobre o dia em que nasceu. A mãe foi para a maternidade e às tantas, com aquelas dores tão fortes, começou a dizer em voz estridente:

-" Ai agora já não me apetece ! Quero me ir embora para casa já!"( como eu a compreendo!)

Na verdade há coisas que têm de ser e o que tem de ser tem muita força!

A minha própria mãe, há 10 anos atrás, teve de ser levada à má fila ao hospital porque tinha uma angina de peito que lhe estava a causar dores terríveis mas que por, ter pavor de hospitais, médicos e doenças, andava a esconder da família o que se estava realmente a passar com ela.

Claro que o veredicto foi internamento imediato, seguido de operação urgente porque tinha as artérias coronárias todas entupidas.

- Eu??? Internada??!!!!- dizia a minha mãe- nem pensar! Vou já para minha casa! Concerteza que um simples comprimido bastava para resolver a situação, sem necessidade de internamentos, ou coisas do género - refilava ela.

Era daqueles casos em que a opção só podia ser uma: ou era operada ou era operada. Sem isso morreria !

Foram precisas três horas e muitas explicações para a convencer a ficar e quando se apercebeu que não tinha alternativa possível ficou zangada com quem a tinha levado ao hospital: o meu pai, uma das minhas irmãs e o santo do genro, meu marido, que ainda hoje, cada vez que conta a história, diz que nunca viu uma cena daquelas na vida dele.

E quem disse que a vida era simples?!

publicado às 20:15


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Comentários recentes

  • Anónimo

    Também li os livros da Anita na minha infancia. Te...

  • Teresa

    Fico contente quando as pessoas gostam do que escr...

  • fashion

    Gostei muito, Parabéns!

  • Chic'Ana

    A taça é nossa!!! =)

  • Teresa

    É mesmo ! eu adoro a ingenuidade destas idades!


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D


Mensagens